Frédéric Chopin e Viktor Frankl: uma aproximação estética

EM BUSCA DE SENTIDO de Viktor Frankl foi um dos livros que mais me causaram impacto na juventude. Sucessor da cadeira de Sigmund Freud e Alfred Adler em Viena, Frankl mostrou que nem só de pulsões sexuais e vontade de poder se faz um ser humano. O homem integral é mais que um corpo; tem alma. E tem sede de algo mais, tem desejo de sentido.

Viktor não elaborou sua teoria ante o descanso de um divã, mas encontrou-a na agitação do mundo: primeiro em Auschwitz, de onde ele escapou com vida; depois na sociedade livre e fútil dos Estados Unidos da América, para onde fugiu e onde se tornou famoso como psicoterapeuta.

Amo o PRELÚDIO OP. 28, NO. 15 (A GOTA) de Frederic Chopin, que no nível inconsciente da criação é a forma melódica do existencialismo frankliano. Suspeito que se pode ouvi-lo e apreciá-lo melhor na segunda taça de vinho, aproximadamente, dependendo da qualidade do ouvinte e da resistência do vinho…

O prelúdio é misterioso porque desenha uma melodia belíssima, mas superficial. Só ouvindo-o com atenção percebo minha ilusão, pois a linha principal da música não são as notas que levemente passeiam, mas uma única nota, repetida, insistente. Quantas vezes nos atemos a coisas atraentes como o prazer, postergando a pergunta essencial da existência! Essa nota teimosa é a pergunta: qual o sentido da vida? qual o verdadeiro sentido da vida? qual é? qual o sentido da vida?

ff6e3-chopinA nota persiste subjacente à música.

Na segunda parte, imagino a morte de uma pessoa querida e a urgência maior da pergunta: a Nota vai crescendo, se fortalecendo, bate forte, até ocupar a primeira plana, imperativa: qual é? qual é? qual é o sentido? A Nota até se desloca um pouco, pula do sol# para o si, mas a sua forma permanece intacta, indelével.

Como numa síntese, na terceira parte volta-se à melodia inicial, leve, ligeira, sem que a Nota subterrânea desapareça. Ela apenas diminui a intensidade, mas continua fiel à pergunta como se desse um recado: você pode passear, viajar daqui para acolá, amigo, porque isso também faz parte da vida, digo, da música, mas não tentes escamotear a Nota, a Gota! Terás de aprender a conviver harmonicamente ou harmoniosamente com ela.

DIÁRIO DE UM CÔNSUL NA FRONTEIRA, 17 DE JANEIRO DE 2014.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s