Humor e Poder

2a68c-tiririca1

Outro dia estava tomando uma cerveja com uma amiga minha no Crato e ela fez um comentário interessante sobre o porquê de os cearenses serem (ou pelo menos tentarem ser) engraçados. Segundo ela, é uma questão de poder.

Faz sentido. Criatura destrambelhada e cidadão de um lugar pobre, o homem cearense tem pouco a oferecer ao mundo em termos de charme pessoal. Mas quando ele consegue fazer alguém rir – intencionalmente, digo –, ele deixa de ser essa criatura mal-desenhada – feita, talvez, às pressas pelo Criador – e se transforma num ser interessante, capaz de tiradas espirituosas sobre a vida, a sociedade e, para citar o caso mais emblemático, a semelhança entre o destino do corno e o do jumento.

Tornar-se o centro das atenções pelo riso é uma maneira sutil de conquistar o apreço das pessoas e, assim, ganhar poder sobre elas. Não que isso seja um cálculo: é quase espontâneo com um ser que já era meio risível antes de empenhar-se para tal. Mas acontece, e não é incomum ver algum metido a engraçadinho se esforçando de maneira quase histérica para provocar riso – ás vezes com efeito oposto ao desejado. Talvez seja uma maneira de se libertar da mediocridade.

A relação entre humor e poder é tão íntima que não raras vezes o riso pode se transformar em puro exercício de sadismo. Falo com a experiência de quem já escreveu uma ou duas sátiras: não há maneira mais fácil de fazer rir do que ridicularizar alguém. Quando se faz isso, diminui-se o valor de quem é alvo das piadas, questiona-se, inclusive, sua credibilidade enquanto sujeito. Insuportáveis como sejam, os defensores do pensamento politicamente correto perceberam esta verdade: por trás de muita gracinha esconde-se o exercício do menosprezo. E todo um ramo do humor desenvolve-se em cima disso: do ridicularizar o estrangeiro, o homossexual, a loira, o negro, o feio.

O humor pode ser cruel, mas claro que nem todo humor é assim. Uma das grandes virtudes dos piadistas cearenses é justo sua capacidade de rir de si mesmo. Pessoalmente acredito que esse é um gesto magnânimo: mais do que um indicativo de inferioridade, essa auto-depreciação é sinal de um desprendimento em relação às dificuldades da vida. Pois o que é a pobreza, a secura da terra e a falta de oportunidades para quem é capaz de rir do próprio sofrimento? Só um espírito livre seria capaz disso, e mais uma vez percebemos que o humor está relacionado ao poder, sendo que aqui já não se trata mais de um poder que se exerce contra a liberdade de outra pessoa, mas um que se afirma como a falta de constrangimentos ao pensar e ao agir.

Nesse sentido, o humor é um poderoso instrumento ao alcance do homem para se situar nesse universo esquisito. Nós, que estamos sujeitos ao acaso, podemos relativizar o peso do destino sobre nossas vidas ao rir de nossas misérias. E assim nós nos tornamos livres, pois que terrível poder será esse que escapará ao nosso riso destrambelhado, ainda que seja um riso no leito de morte?

Minha amiga estava certa. Não há império sobre a Terra do qual não possamos rir, e enquanto nós formos capazes de esculhambação, resistiremos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s