Um Cristianismo Estrito

 7c385-o-mendigo-ze
Numa tarde de sábado, quando caminhava pelas bandas da 302 Norte na vã esperança de, ao queimar calorias indesejadas, aumentar minhas chances de sexo casual, vi um mendigo esfarrapado aos berros, proferindo um sermão a dois ou três desocupados que se dignaram a ouvi-lo naquele calor. Julguei que fosse um daqueles loucos barulhentos, que brigam sozinhos no meio da rua e soltam palavrões contra entidades malignas invisíveis.

Aproximei-me curioso e meio entristecido, supondo que a figura sofresse de algum delírio, porém, ao me juntar, por curiosidade, ao seu público, surpreendi-me com a concatenação de seus vitupérios. Mesmo sendo um orador furioso, ele profetizava com tensão bíblica.

Se eu fosse tentar, de cabeça, reproduzir o que aquele desgrenhado profeta urbano bradou-nos, talvez saísse algo assim:

“Engana-se quem acha que merecerá o Reino dos Céus por amar o inimigo. Pois disso é capaz qualquer masoquista, e não é o Senhor das Trevas a prova da elegância que há no mal?

Sim, amar o criminoso é fácil, e o ódio que lhe lançamos publicamente é, na verdade, a prova do amor inconsciente que lhe reservamos. Pois vemos nos injustos nossa própria intimidade sombria, nossos desejos e pecados reprimidos transformados em realização por uma falta de restrições que invejamos.

Ai de ti, Brasília, pois eis que vos fala um conhecedor dos homens. A porta estreita, a verdadeira prova que nos fará dignos da redenção eterna é o perdão ao imbecil, pois nada além do Amor Universal e da visão beatífica da Obra Divina poderia justificar tolerância a criaturas que trazem ao próximo tanto dano quanto o injusto, mas sem pelo menos o atenuante do charme.

Abençoados os que amam o adolescente narcisista e frívolo, que considera sua indiferença e irresponsabilidade a prova de uma compreensão superior sobre os mistérios da vida.

Abençoados os que perdoam as madames endinheiradas e militantes, que põem à prova a paciência dos comensais que se arriscam a almoçar com elas dissertando longamente sobre sua vida sexual, na desesperada tentativa de atestar a liberdade e a felicidade que nunca possuirão.

Abençoados os que precisam conviver com profissionais oportunistas, que confundem a estreiteza de sua visão com pragmatismo, e que condenam, com a crueldade dos cegos, todos os que não escolheram para si as mesmas prisões mentais.

Abençoados os que são obrigados a seguir as decisões de um superior hierárquico sem mérito, que condescende em seus vícios infantis pela falta de quem esteja em posição de lhe mostrar a objetividade que há no bom senso e na prudência, e que confundem o próprio poder com a racionalidade de suas opiniões.

Abençoado os que tem de provar – para escapar de uma solidão irremediável – a própria masculinidade através da estupidez induzida, para serem aceitos por manadas de eternas crianças que, pela transgressão, pelo insulto e pela indulgência, provam ao mundo o contrário do que queriam provar, ou seja, que são miseráveis dando vazão ao desamparo através da violência.

Abençoados os que deram o braço a torcer quando tinham razão, simplesmente por não poderem gritar tão alto quanto aqueles com quem colaboravam, e que ainda assim tiveram a decência de não exercer direito a que faziam jus – o de mandar todos tomarem no cu.

Abençoados sejam os que foram perseguidos por pessoas menos inteligentes por não terem querido sacrificar a única vida que tinham no altar do Baal do Banal.

Abençoados os sóbrios, os que pensam duas vezes antes de falar uma merda, os que não aboliram a lógica pelo pregão das ideologias furadas, os que se dão ao trabalho de estudar os antecedentes, os que não crucificam os bodes expiatórios com gosto de sangue na boca,  os que, por mansidão, calaram.

Acima de tudo, abençoados os que tem bom gosto musical, mas que deixaram os amigos colocar o CD de forró eletrônico.

Pois em verdade vos digo, apenas de quem for capaz de perdoar um imbecil será o Reino dos Céus!”.

Tendo escutado o sermão, continuei minha caminhada cabisbaixo, assombrado por visões da danação eterna.

Anúncios

2 Respostas para “Um Cristianismo Estrito

  1. Magnífico texto, ainda que seja a tentativa de reprodução das palavras ouvidas, vem tecido com a força e a energia com que foi captado, absorvido, assimilado. Gratidão
    Ana Brito

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s